You are here

Share page with AddThis

Pragas e o tempo: um bom controle passa pelo entendimento das sazonalidades

Controle Consciente
13.08.2018

Para onde vão os mosquitos no inverno? Baratas só aparecem em períodos de calor? E os ratos, como se comportam em cada estação? Questionamentos comuns do público em geral e perguntas que todo controlador profissional de pragas urbanas deve fazer a si mesmo - sim, pois a época do ano influencia diretamente a demanda pelo serviço. Mas será que todos buscam se informar a esse respeito e aplicar isso no dia a dia?

“De modo geral, todas as pragas urbanas são influenciadas pela temperatura e pela umidade do ambiente. Há faixas de temperatura ambiental que aceleram o metabolismo das pragas, tornando o ciclo de vida mais rápido. Embora este efeito seja geralmente observado em temperaturas mais elevadas, não podemos nos esquecer que temperaturas extremas também são prejudiciais para as pragas”, explica Guilherme Stagni, biólogo e integrante da equipe de Suporte Técnico da Syngenta.

As estações e épocas do ano podem influenciar a quantidade de chamados pelo trabalho de controle de pragas para cima ou para baixo - mas é prudente pensar nesse fator com antecedência para realizar a prevenção adequada.

 

                                             

É sabido, por exemplo, que o tempo frio atrai ainda mais ratos-de-telhado, ratazanas e camundongos às edificações humanas. Isso porque os animais buscam abrigo nos interiores e podem acabar causando prejuízos ao roerem alimentos, fiações, encanamentos, mobília e outros materiais. Quando proliferam, tornam-se questão de saúde pública e um grande problema a resolver por parte de gestores de estabelecimentos comerciais, notadamente aqueles que estocam e servem alimentos.

Por outro lado, o mesmo tempo frio diminui a pressão de pragas como os mosquitos. Mas isso não quer dizer que eles desaparecem nos períodos de baixa temperatura. Eles continuam a existir, apenas em uma taxa muito menor. "O Aedes aegypti, por exemplo, não desaparece. Quando a temperatura começa a ficar próxima a 10ºC, há a deposição dos últimos lotes de ovos, que resistirão às estações de baixas temperaturas e eclodirão quando as condições forem adequadas, com água disponível e temperaturas mais elevadas.”, diz Guilherme.

CHEGOU A TEMPORADA PRIMAVERA-VERÃO... E COM ELA, SÓ AS BARATAS?

Outra praga cuja presença é fortemente influenciada pela temperatura é a barata. A barata de cozinha e restaurantes (Blattella germanica), por exemplo, beneficia-se do calor e se desenvolve muito bem em ambientes úmidos e com temperatura média de 27ºC. O seu desenvolvimento até a fase adulta pode ser até 4x mais rápido em condições favoráveis. Mas o calor não se resume a um dia quente, certo? A atividade nas cozinhas segue a todo vapor o ano todo, podendo proporcionar alimentos e condições climáticas favoráveis ao desenvolvimento da infestação em qualquer época. Assim, o cuidado para controlá-las vale para o ano todo.

A estação do inverno propriamente dita é tradicionalmente um período de atividades reduzidas para os controladores de pragas, em boa parte do país. “É necessário haver uma conscientização sobre a necessidade de planejamento para essas épocas. Temperaturas mais baixas significam menos chamados. Este período é ideal para a empresa se preparar para as estações mais quentes, proporcionar treinamento técnico adequado para seus funcionários, checar o inventário geral de equipamentos, inseticidas e outros materiais e repor o que for necessário. Isso proporcionará maior efetividade no controle de pragas nas épocas de maior demanda por serviços”, conclui Guilherme Stagni.