You are here

Share page with AddThis

Soluções e Controle de Cupim

Coptotermes gestroi, Nasutitermes spp, Cryptotermes brevis.

Termitas ou conhecidos popularmente como cupins, siriris, formigas brancas (apesar de não terem nenhum grau de parentesco com elas) e aleluias, apresentam grande contribuição ambiental devido seus comportamento, exercendo forte influência nos processos de decomposição, na ciclagem de nutrientes e nas propriedades químicas e físicas do solo (Núñez, et al., 2011).

 A fonte alimentar dos cupins são os materiais celulósicos sob diferentes formas, podendo essas estarem presentes em edificações verticais (prédios), casas residenciais, patrimônio histórico, acervos, entre outras formas celulósicas. A digestão deles é realizada com o auxílio de microorganismos encontrados no intestino do inseto.

Os cupins são insetos sociais, onde toda a colônia está dividida por classes sociais, denominadas castas. Cada casta tem sua função definida, conforme conferimos abaixo:

●      Operários: são indivíduos estéreis, com funções determinadas, como construir o ninho, coletar alimentos, cuidar das ninfas, alimentar a colônia (casta com maior número de indivíduos).

●      Soldados: também indivíduos estéreis que possuem cabeça grande, mandíbula e pernas muito fortes para a defesa do cupinzeiro.

●      Reis e rainhas: são indivíduos férteis responsáveis pela colonização e aumento de indivíduos na colônia.

●      Reprodutores alados: emergem do cupinzeiro nos meses mais quentes do ano. Eles apresentam asas e são conhecidos popularmente como “siriris ou aleluias”. São encarregados pela formação de uma nova colônia.

 

Espécies de cupins mais comuns

No Brasil são conhecidas cerca de 270 espécies de cupins, das quais 10 são pragas urbanas. As principais espécies de cupins urbanos no Brasil são:

●      Cupim-subterrâneo (Coptotermes gestroi, Heterotermes ssp) - possuem colônias grandes, não confinadas à estrutura atacada. Constroem túneis para locomoção e podem forragear mais de 100 metros do ninho principal;

●      Nasutitermes spp - formam novas colônias a partir de revoadas e brotamento (quando um pequeno grupo de cupins fundam um ninho satélite). Possuem colônias grandes, que normalmente são formadas em árvores;

●      Cryptotermes brevis - são cupins de colônia pequena que se desenvolve diretamente na peça atacada. A revoada pode ocorrer depois de 5 anos da infestação. Sua principal fonte alimentar é madeira com baixo teor de umidade.

 

Dicas para identificar a infestação por cupins

Algumas espécies transitam por estrutura de base, como blocos e tijolos, lajes, conduítes elétricos e telefônicos e rede hidráulica. Na maioria dos casos, os cupins subterrâneos constroem os tuneis de forrageamento para se locomoverem com segurança até o local de ataque; no caso dos cupins de madeira seca, eles não constroem tuneis. Por isso são recomendadas as seguintes ações:

Para cupins subterrâneos:

●      Verificar locais quentes e úmidos da edificação, como forro e madeiramento de telhados;

●      Buscar por sinais de túneis próximos a molduras de janelas, batentes de portas, parede e pisos de madeira e escadas com vãos perdidos;

●      Atenção para a existência de ninhos em vãos entre paredes, andares e caixões perdidos na estrutura da edificação;

Para cupins de madeira seca:

●      Verificar se há pequenos orifícios dispersos nas madeiras ou se há presença de pó granuloso com aspectos e cores de madeira sob os móveis;

●      Checar se as superfícies dos móveis e itens de madeira estão intactas e o interior oco ou danificado.

Fique atento aos pontos acima e lembre-se que uma mesma edificação pode ser atacada por mais de uma colônia, assim como uma colônia pode atacar mais de uma edificação.

 

Cupins: soluções Syngenta

Confira as soluções desenvolvidas pela Syngenta para o controle químico de cupins em ambientes internos:

Optigard LT é um inseticida neonicotinóide à base de Tiametoxam em formulação WG, com amplo espectro de ação. Entre seus principais benefícios no controle de cupins, podemos citar:

●      É embalado em sachês hidrossolúveis com a quantidade apropriada de produto e se dissolve rapidamente em contato com a água;

●      É um inseticida de ação não repelente, sendo indicado e registrado para o controle de cupins subterrâneos e cupins de madeira seca;

●      Apresenta excelente custo benefício. 1kg de produto rende 500 litros de calda para tratamento contra cupins. 

Abaixo você confere as indicação de uso da Syngenta para o controle de cupins:

Tratamento pré-construçãoAplicação da calda inseticida sobre o solo antes da pavimentação ou em trincheira após a construção da estrutura, seguindo a recomendação de rótulo.

Tratamento pós-construçãoPerfuração do piso ou parede e posterior aplicação da calda inseticida, seguindo as recomendações de rótulo.

Tratamento cupim de madeira secaTratamento da peça com aplicação do produto nos próprios furos feitos pelo cupim, seguindo recomendação do rótulo.

O Sistema Sentricon consiste de armadilhas (estações de solo), que são instaladas ao redor do perímetro das estruturas, com o objetivo de se detectar e eliminar os cupins subterrâneos que estejam infestando a área, através do uso da iscas.  Elimina as colônias de cupins que estão infestando o imóvel, atuando diretamente na fonte do problema. A instalação do Sistema Sentricon* não requer que se deixe o local a ser tratado, não apresentando cheiro ou risco para pessoas sensíveis, animais domésticos e ambiente.

Baixe nosso material